Alunos da Escola Municipal Gersino Coelho apresentam projeto sobre as obras de Luiz Gonzaga

13 de jul de 2019 - Jornalismo

A Escola Municipal Gersino Coelho, localizada no Doron (GRE-Cabula), apresentou na tarde da sexta-feira (12) a segunda etapa do projeto Uma Viagem pelo Nordeste através de Luiz Gonzaga. Desde o início do ano, as crianças da Educação Infantil e do Ensino Fundamental Anos Iniciais vêm fazendo pesquisas de obras literárias para conhecer um pouco do que foi produzido pelo Rei do Baião. Elas fizeram releituras de sucessos do compositor considerado umas das mais completas e importantes figuras da música popular brasileira.

A apresentação do projeto foi dividida em três etapas. Na primeira, os alunos fizeram releituras e criaram poesias inspiradas na obra do homenageado. Neste segundo momento, as músicas ganharam encenações na quadra da escola com cantigas do vaqueiro, bumba meu boi, além de versos e prosas exaltando a vida sofrida do sertão.

De acordo com a vice-diretora do matutino, Grasce Oliveira Gondim, todo o trabalho realizado este ano será transformado em um livro. “O aprender precisa estar ligado com a arte, não se aprende por obrigação. Vimos turmas do infantil falando da vida de Luiz Gonzaga, estudaram e interpretaram as obras dele, realmente está sendo grandioso o retorno que essas crianças estão nos dando e a ideia é transformar toda essa experiência em um livro”, informou.

Segundo a coordenadora pedagógica Idalice Simone de Jesus, as crianças se dedicaram bastante para a realização desse projeto. “Eles se envolveram com tudo que foi proposto, estudaram, pesquisaram e tem consciência da importância de todo o trabalho desenvolvido em sala de aula”, contou.

A diretora Kátia Silva ressaltou que a realização do trabalho proporcionou uma interação maior da turma e da família na comunidade escolar. “Algumas dessas crianças chegaram arredias e isso era uma preocupação nossa. Então, nas reuniões começamos a traçar estratégias que aproximassem a família da escola, um dos planos foi desenvolver projetos pedagógicos para que elas valorizassem tudo que fosse produzido aqui dentro. Hoje conseguimos trabalhar de forma tranquila e com a participação de todos”.