Alunos da rede municipal apresentam Festival Tire o Chapéu para Salvador

27 de out de 2022 - Jornalismo

Os alunos da rede municipal de ensino de Salvador participaram, na manhã desta quinta-feira (27), de uma apresentação especial na reitoria da UFBA, no Canela. Na ocasião, 90 crianças de três escolas da cidade encenaram o Festival Tire o Chapéu para Salvador. O espetáculo é resultado do projeto de extensão com o mesmo nome, em uma parceria da Secretaria Municipal da Educação (SMED) com a Elysium Sociedade Cultural, responsável pelo restauro do Palacete Tira Chapéu, e da Escola de Música da UFBA, coordenado pelas professoras Mara Menezes Kroger e Telma Oliveira, e financiamento da Lei Rouanet.

O projeto tem como finalidade apresentar a história do Palacete Tira Chapéu em forma de musical, trabalhando as linguagens artísticas de forma integrada e permitindo que os alunos tenham essa experiência fora dos muros da escola. Segundo Cristina Franco, diretora da Escola Municipal Fonte do Capim, uma das participantes com 56 alunos, a participação dos alunos no musical ocorreu através do convite da professora Maria Luíza Barbosa, que lecionava música na escola. “Abraçamos o projeto e, desde então, as sextas-feiras foram dedicadas aos ensaios, com os alunos das turmas do 1° ano A e 3° ano A, durante seis meses, com todo apoio e suporte necessário para o êxito do mesmo”.

A assessora técnica da Gerência de Currículos da Smed, Fernanda Siqueira, afirmou que a parceria vai além da apresentação na reitoria, mas também com encenações nas unidades de ensino. Além da Fonte do Capim, de Sussuarana, a iniciativa contou com alunos da Escola Municipal Jesus de Nazaré , também do mesmo bairro, e da Escola Estadual Manoel Novaes, do bairro do Canela.

“Essa é uma ação pedagógico musical com incentivo para a cultura, e a ideia é ampliar para outras escolas da rede. Todo acesso à cultura é fundamental na vida das crianças, no entendimento e crescimento social e emocional delas. Trazê-las para um espaço como a Reitoria da UFBA, com essa parceria pensando na educação musical, é fundamental para o desenvolvimento da criança, seja na parte social, emocional, cognitiva e, a importância de ter os pais nas apresentações é enxergar o filho protagonista da história”, disse Fernanda.

A professora Mara Menezes, da UFBA, conta que a ação é um desdobramento do restauro do palacete. “Criamos essa peça para as crianças e escolhemos escolas distantes do Centro. Começamos o trabalho em março e pensamos que, para elas, é importante este senso de pertencimento, de conhecer a cidade, de ter um contato mais imersivo na cultura e a educação patrimonial também, mostrando o valor do passado e presente”.

O jovem Guilherme Santos, de nove anos, está na 3ª série e contou que está amando fazer a peça. “Eu estou fazendo o papel de Diogo, e é muito legal aprender coisas novas. Os ensaios foram muito legais, falo muito durante a peça e me sinto feliz de fazer parte”.

Aos 10 anos, Taila Kelly também se mostrou animada em participar. Fazendo o papel de Salvador, a aluna da 3ª série disse que era algo que queria fazer muito. “Gostei dessa oportunidade e é muito importante poder representar minha cidade, estou muito orgulhosa”.

 

Secom/Smed

Fotos: Enaldo Pinto