Após vencer concurso, merendeira da rede municipal vira inspiração para novo reality

07 de Maio de 2018 - Publicidade

Fazer o que gosta é maravilhoso e fazer crianças felizes ao experimentar uma merenda diferente e nutritiva e ainda ganhar um concurso regional não tem preço. Foi isso que aconteceu com a merendeira da Escola Municipal Ilha de Maré, Dejanira de Souza, 41, uma das vencedoras do concurso “Melhores Receitas da Alimentação Escolar”, realizado no mês de  março, em Brasília, pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Após o concurso, a produção esteve na escola para gravar um pouco sobre a vida e o dia a dia da merendeira, que junto com as colegas de trabalho, elaboraram uma receita com carne moída e aipim, trocando os ingredientes tradicionais da massa do abará, que é o feijão-fradinho com camarão seco, temperado com bastante cebola, tomate e pimentão, coentro e azeite de dendê e é servido na folha de bananeira, por uma versão mais leve e nutritiva.

A assessora da coordenação geral do Programa Nacional da Alimentação Escolar (PNAE) Cineide Neres, explica como surgiu a ideia do Super Merendeira e como está sendo gratificante por trabalhar a questão regional de cada merendeira e ver como elas se empenham para fazer o melhor. “A primeira edição foi tão prazerosa que resolvemos lançar a segunda edição, já que elas são talentosas, fazem pratos tão bonitos especiais. Como elas queriam ir a um programa de culinária, nós resolvemos criar o nosso próprio programa culinário o Super Chef da merenda escolar, considerando questões como aspectos culturais, alimentação quilombola, indígena, a agricultura familiar, pois sem essa agricultura não tem alimentação escolar”.

Ela ressalta ainda que o concurso foi de concorrência regional, abrangência nacional e uma dimensão internacional. “Não vai ser uma concorrência entre as regiões, uma merendeira do Brasil vai representar todas. São 160 mil merendeiras no Brasil e nos dois concursos houve uma concorrência de 5mil participantes. Agora, 10 classificadas no Super Merendeira irão ter as vidas mostradas em um reality  e quem ganha com isso é o PNAE, as crianças e agente que conhece um pouco mais da vida e da região de cada merendeira”, afirma.

“Eu gosto do que faço. Afirmou Dejanira, conhecida na Ilha como Pióca.“ Nunca imaginei que essa versão do abará nutritivo fosse ser tão apreciado e fazer sucesso, ainda mais fazer parte de um concurso e ser uma das vencedoras. Gosto de inventar, misturar temperos e fazer novas experiências na cozinha. Estou feliz por estar hoje sendo referência e poder levar o nome da nossa Ilha, de nossa cidade para fora e ver essas crianças saboreando com muito gosto essa receita é maravilhoso. “Eu fico feliz em estar representando todas as merendeiras da nossa cidade”, diz ela orgulhosa.

Os alunos, que adoraram a nova versão da iguaria, ficaram felizes pela merendeira, que atua na escola há 17 anos, estar entre as 10 participantes. “Ela é uma mãezona, gosto como ela cuida da gente, dá atenção e faz muita merenda gostosa. Ela merece isso e muito mais”, disse a estudante Celine das Neves de 8 anos, aluna do 3 ano.

As mães também comemoram a conquista. “Estou feliz por ter meus filhos matriculados nessa escola”, falou a moradora da Ilha, a dona de casa Elisângela Maria, que tem 3 filhos estudando na escola. Ela conta que hoje não tem preocupação com os filhos na hora da merenda, pois sabe que a escola, além de dar boa educação, oferece um cardápio alimentar saudável e gostoso para as crianças. “ Hoje me sinto tranquila, pois sei que essa escola oferece o melhor para eles em educação, merenda, em respeito e serem produtivos. Eles chegam em casa felizes, contando tudo o que fizeram na escola e o que comeram na hora da merenda. Antes eu não via  o brilho nos olhos dos meus filhos. Graças a Deus que temos merendeiras maravilhosas como a Dejanira e toda equipe que trabalha na cozinha da escola, além de uma direção e uma equipe responsável e comprometida com o ensino desses crianças”,  avaliou.

Cletia Paraguassu, diretora da unidade escolar, diz ficar feliz em ouvir uma mãe parabenizando a escola. “É gratificante saber que as mães acreditam e confiam em nosso trabalho com as crianças. Não foi fácil transformar e ensinar eles a comerem uma alimentação saudável ainda mais eles que estão acostumados com a culinária da Ilha que é sempre regada a muito azeite. Essa experiência em nossa cozinha foi essencial para transformar a vida alimentar desses alunos. E Dejanira vai ganhar mais uma vez, estamos na torcida”, afirmou.

De acordo com a nutricionista Emília Coelho, da Secretaria Municipal de Educação (SMED), o cardápio que é feito na escola é diferenciado, pois tem a parte cultural, a tradição do local  e conseguir introduzir o novo de forma que agradasse as crianças e que agregasse a nutrição não foi fácil. “O acarajé e o abará é muito tradicional e todo mundo sabe o que tem dentro dessas iguarias, então começamos a pensar como colocar isso dentro da merenda escolar para agradar aos alunos, pensando em todos os requisitos da ideologia da questão do natural do saudável a Dejanira veio com essa preparação diferente transformando uma receita tradicional e cultural dentro da alimentação escolar de forma saborosa e agradável”.

E completa: “A receita é muito nutritiva, pois o aipim é uma massa magra com bastante carboidrato e fibras que ajuda na energia das crianças e a carne é a proteína que eles precisam para ter mais nutrição e crescimento, além disso, o azeite de dendê tem vitaminas A e K, importantes para fortalecer o sistema imunológico e agir no processo de coagulação sanguínea”, finaliza.

A merendeira que ganhar o reality vai para um país que tem uma parceria com o governo Federal. Na primeira edição a ganhadora foi para o Chile, agora quem ganhar vai para o Caribe, que tem um programa similar ao do Brasil.

PRÊMIO ALIMENTAÇÃO ESCOLAR – O objetivo da competição nacional, que reuniu 2.433 merendeiras do país, foi comemorar os 60 anos de criação do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e incentivar a prática de hábitos alimentares saudáveis nos alunos. Foram escolhidas as cinco receitas mais saborosas e criativas – uma de cada região do país – e cada vencedora recebeu um prêmio de R$ 5 mil e uma viagem internacional.

As Escolas Municipais Batista de São Caetano (São Caetano) e Francisco Leite (Cajazeiras) também foram finalistas do concurso. As escolas apresentaram as receitas “Enroladão Saudável” e “Combinado de Sabores”, respectivamente. As três escolas da rede municipal de Salvador foram ás únicas representantes da região Nordeste na final do concurso. A premiação foi realizada no dia 28, em Brasília.

Para a grande final foram escolhidas 5 merendeiras do primeiro concurso e 5 do segundo, observando o forte de cada estado. Na Bahia foi trabalhando a questão da alimentação regional quilombola, educação alimentar e nutricional e a questão do conselho escolar de alimentação que é muito forte.