pinflix yespornplease porncuze.com porn800.me porn600.me tube300.me tube100.me watchfreepornsex.com

Classes Hospitalares cobrem toda a cidade em 2009

13 de mar de 2009 - dev

Os estudantes que estão hospitalizados e impossibilitados de freqüentar a escola terão um atendimento especial e ainda maior esse ano em Salvador. Isso porque, o Criança Viva, desenvolvido pela Secretaria Municipal da Educação e Cultura (SMEC), pretende dobrar o número de beneficiados, com a inclusão de mais quatro hospitais de grande porte no programa e a ampliação do horário de atendimento em três hospitais.

No ano passado, o Criança Viva esteve instalado em 14 centros hospitalares da capital e atendeu a mais de 18 mil alunos pacientes. Em 2009, o programa vai incluir o Otávio Mangabeira, Aristides Maltez, HGE e São Jorge. Os atendimentos serão estendidos, até o turno da noite, nos hospitais Ana Nery, Roberto Santos e Martagão Gesteira, o que significa a cobertura total da rede pública hospitalar de Salvador.

Já o Projeto Vida e Saúde, realizado através de cooperação técnica, científica, cultural e financeira entre as Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) e a SMEC, tem suas atenções voltadas especificamente aos alunos que estão internados no Hospital da Criança, das OSID. Somente em 2008, cerca de 1,4 mil estudantes foram atendidos pelo projeto. Esse número também deve crescer esse ano, porque os jovens e adultos que estão na unidade de pacientes crônicos também passarão a ser beneficiados.

Outra inovação do Vida e Saúde será a implantação de atividades interdisciplinares, que vão abordar noções de educação, saúde e ecologia, com o objetivo de transformar os pacientes em sujeitos modificadores, críticos, autônomos e questionadores de mudanças e atitudes.

De acordo com o secretário de Educação, os programas propõem a criação de escolas regulares em hospitais públicos de Salvador para garantir o acesso à educação a toda população de Salvador. “Também têm o objetivo de assegurar a conclusão do ano letivo aos alunos matriculados na rede e elevar a autoestima dos pacientes, o que, segundo os próprios médicos, é importantíssimo para uma recuperação mais rápida”, explica.