pinflix yespornplease porncuze.com porn800.me porn600.me tube300.me tube100.me watchfreepornsex.com

Bellintani diz que abrirá ‘tudo’ para investigação do MP

23 de jan de 2015 - Jornalismo

O secretário de Educação de Salvador, Guilherme Bellintani, também quer que o Ministério Público da Bahia (MP-BA) investigue ações na pasta. O PTN, que detinha o poder da secretaria na gestão do ex-prefeito João Henrique e nos primeiros meses com ACM Neto (DEM), vai solicitar ao órgão que investigue a série de exonerações após saída da legenda da base da administração soteropolitana.

Ao Bocão News, o gestor afirmou que a pasta está aberta para qualquer tipo de apuração. “O MP deve investigar as exonerações e inclusive as admissões, saber por que essas pessoas foram admitidas anteriormente, em outras gestões”, provocou Bellintani.

O Ministério Público já investigou a Secretaria de Educação durante as denúncias de irregularidades relativas a gastos públicos. À época o comando era do deputado João Carlos Bacelar (PTN), protagonista da polêmica implantação do programa Alfa e Beto, rejeitado por professores e pela oposição, bem como em denúncias de incorreções na aquisição de livros, materiais, tecnologia e terceirização de serviços com a Fundação Pierre Bourdieu e acusado de uso da máquina para favorecimento eleitoral.

Em relação às demissões, Bellintani afirmou que a pasta estava “inchada” e que não seria irresponsável em exonerar pessoas em atividade. “Não posso considerar que em uma escola que necessita de oito postos de agente de portaria tenham 13 pessoas trabalhando. Seria incoerente. Há mais pessoas que vagas necessárias”, informou.

Bellintani garantiu que “não deixará pessoas além da necessidade” e que todas as exonerações foram técnicas. O gestor negou qualquer tipo de perseguição política. “Se fosse perseguição nós estaríamos contratando no lugar destes [que foram exonerados”, afirmou. A justificativa das demissões é a redução de quadro em nome da economia dos recursos públicos.

O secretário ainda apontou que as demissões já chegaram a 300 servidores, o que vai gerar uma economia de R$ 9 milhões por ano aos cofres públicos da capital baiana.