pinflix yespornplease porncuze.com porn800.me porn600.me tube300.me tube100.me watchfreepornsex.com

Educação forma mais 200 profissionais de apoio para alunos com deficiência

31 de ago de 2016 - Jornalismo

A Secretaria Municipal de Educação (Smed) conclui, nesta semana, mais uma etapa da capacitação de profissionais de apoio para alunos com deficiência. Dentre as atribuições deste pessoal está o auxílio à inclusão de crianças e adolescentes com algum tipo de deficiência nas atividades escolares, atuando como colaborador dos professores na interação do estudante com o meio e os colegas, nas questões de higiene, mobilidade e alimentação. Atualmente, a rede municipal de ensino conta com mais de 3.500 alunos assistidos por estes profissionais.

A capacitação integra o Projeto de Formação dos Profissionais de Apoio ao Aluno com Deficiência da Smed, através da Coordenadoria de Inclusão Educacional e Transversalidade, que realizou outros três encontros durante o mês de agosto. A formação ocorre desde 2015, quando cerca de 150 apoiadores foram capacitados, e teve prosseguimento em 2016, com mais de 200 profissionais credenciados para atuar na função, por meio da equipe de Educação Inclusiva da Diretoria Pedagógica e professores do Atendimento Educacional Especializado (AEE).

Segundo a gerente de Currículo da Smed, Gilmária Cunha, a presença desse profissional é indispensável à rotina do estudante portador de deficiência em sala de aula e em todo contexto educacional. “Esse suporte, não apenas no âmbito pedagógico, é fundamental para facilitar a interação desse aluno no ambiente de ensino e sua total inserção no cotidiano escolar, bem como para contribuir de forma definitiva para a formação satisfatória destes estudantes”.

Atribuições – O curso ocorre por meio de palestras nas quais são abordados temas pertinentes aos cuidados com o aluno especial. São apresentadas nos encontros informações acerca do direito à educação, esclarecimentos sobre os cuidados com um estudante deficiente, relações familiares e formas de reconhecer as especificidades dos alunos com paralisia cerebral e espectro autista no contexto educacional.

Os profissionais que compareceram à Escola Municipal Orlando Imbassahy, em São Rafael, nesta terça-feira (30), tiveram acesso a noções básicas sobre “Educação Inclusiva e os direitos da pessoa com deficiência; informações acerca do perfil e das atribuições do Profissional de Apoio ao aluno com deficiência e o trabalho em articulação e parceria com o professor”; e “Atuação do profissional de apoio como elo entre a família, equipe escolar e a pessoa cuidada”. Para a quarta-feira (30), no mesmo local, estão reservados os seguintes tópicos: “Paralisia cerebral, as especificidades da deficiência e suportes para o desenvolvimento de atividades e autonomia do aluno com PC no contexto escolar”; E “Entendendo as especificidades do aluno com autismo para intervir no contexto escolar”.

Capacitação – De acordo com a Supervisora Educacional da Smed, Teresa Cristina de Holanda, durante a capacitação, os profissionais têm acesso a toda legislação que trata da inclusão do estudante portador de deficiência no contexto escolar, bem como de suas atribuições como auxiliar do professor no cuidado específico com este aluno especial. “Dentro deste contexto estão inseridos autistas e crianças com deficiência cerebral que possuam algum tipo de dificuldade relacionada aos cuidados com higiene, mobilidade e alimentação. Da mesma forma, a lei contempla deficientes visuais e auditivos que possuam dificuldades nestes campos mencionados”, explica.

Esta formação de agosto atenderá cerca de 50 escolas das Gerências Regionais de Itapuã e Orla. Atualmente, segundo a secretaria, todas as 10 gerências da capital baiana – cerca de 430 unidades de ensino – contam com estes profissionais, que são devidamente remunerados, atuando. “É importante para este agente que saiba entender e respeitar as diferenças entre os alunos, para que possa realizar a inclusão de forma correta, repleta de carinho e cuidado, para que consigam atender às expectativas dos alunos e seus familiares, que estão sempre atentos e vigilantes em relação à presença e atuação destes profissionais”, conclui Teresa Cristina.