Escolas municipais abrem exposição fotográfica itinerante

08 de nov de 2019 - Publicidade

Cinco escolas da rede municipal estão realizando uma exposição fotográfica itinerante retratando a realidade da comunidade, com o objetivo de motivar os alunos a desenvolverem ações de transformação social local. Trata-se de uma parceria entre a Secretaria Municipal da Educação (Smed) e a ONG Parceiros Voluntários, instituição que desenvolve o projeto Tribos: nas Trilhas da Cidadania. A ação é realizada em cinco estados, em Salvador as escolas participantes são: E.M. Fazenda Coutos, E.M. Palestina, E.M. Ilha de Maré, E.M. Pituaçu e E.M. D. Arlete Magalhães.

A exposição teve início na última segunda-feira (4), na Escola Municipal de Pituaçu, vai circular por todas as instituições participantes com permanência de quatro dias em cada uma. Para a diretora da escola de Pituaçu, Iracema Paixão dos Santos, a experiência foi gratificante, pois despertou nos estudantes do 8º ano um olhar mais crítico da localidade onde vivem e o que pode ser melhorado. “A proposta é muito boa por que investe muito na autonomia dos nossos alunos e no reconhecimento da região em formas de inserção dos problemas da comunidade, então veio como uma luva para nossa escola. Eles fizeram oficinas de fotografia, formaram grupos de trabalho para identificar o problema na comunidade ou dentro da escola e como eles iriam solucionar ou contribuir para a solução desse problema, os professores acompanharam todo o processo, mas ficaram apenas dando suporte à equipe”, contou.

As trilhas percorridas foram: Educação para a paz, Cultura e Meio Ambiente. A estudante do 8º ano, Milena Silva Santos, 14, trabalhou com o tema paz, onde tratou sobre o bullying e seu desejo é que o projeto permaneça na escola. “Eu achei uma experiência muito boa tratamos sobre o bullying, foi um incentivo para nos forçar a mergulhar no contexto dessa problemática. Esse projeto ajudou muito não só para quem trabalhou com o tema sobre bullying, mas para quem ficou com o tema de Meio Ambiente, são ensinamentos que vou levar pra vida, seria muito bom que continuasse”, destacou.

“O projeto surge pra dizer que eles são capazes de fazer, mostrar um lado que às vezes não é visto, precisamos estimular para que eles possam fazer atividades e se posicionem como protagonistas. Através das fotos eles mostraram uma realidade que pode ser modificada para melhor e nisso a fotografia vem como ferramenta de transformação. Então ter essa oportunidade de trazer esse projeto para essa juventude com perspectiva de ir para outras escolas é excelente. Testamos a princípio com cinco escolas, o teste valeu, segundo a avaliação dos alunos que trouxeram materiais maravilhosos”, afirmou Olgalice Suzarte, coordenadora do Grupo de Transversalidade da Smed.

Conforme a coordenadora geral do projeto Nas Trilhas da Cidadania, Márcia Anselmo, o projeto existe há 16 anos e além de Salvador, ele atua em mais quatro cidades brasileiras: Rio Grande do Sul, Palmas/TO, Vitória/ES, Santa Bárbara do Oeste/SP. “O projeto partiu da experiência de desenvolver ações de transformação social na escola, da mão na massa dos estudantes, do olhar deles do que eles podem modificar no seu contexto da comunidade de dentro da escola. Sair da reflexão que é oportunizada pelo professor dentro da sala de aula, ultrapassar essas paredes e desenvolver ações que estimulem outros estudantes”.

O coordenador local da ONG Parceiros, José Augusto Brito de Jesus, garante a legitimidade do projeto e os benefícios que proporciona aos estudantes da rede municipal. “A Ong Parceiros voluntários é parceira desse projeto e já tem expertise em mais de 500 escolas, 50 municípios no Rio Grande do Sul, já tem impacto na sociedade gaúcha muito positivo e veio somar aos resultados dos parâmetros curriculares nacionais”, completou.