pinflix yespornplease porncuze.com porn800.me porn600.me tube300.me tube100.me watchfreepornsex.com

Estudantes aprendem os segredos da matemática

05 de mar de 2009 - dev

Para os alunos da Escola Municipal Suzana Wesley, a matemática não é aquele “bicho papão” das disciplinas, como é considerada pela maioria dos estudantes do país. Através de um projeto interdisciplinar, a escola utiliza estratégias para seduzir os estudantes e incentivar o gosto pela matéria através do diálogo, depoimentos e situações do cotidiano.

“Aprendendo a lidar com a matemática”, nome com o qual o projeto foi batizado pela equipe da unidade de ensino, tem como base a utilização de jogos e ferramentas, como baralho, xadrez, pega varetas, réplicas de cédulas de dinheiro, sudoku, balanças e fitas métricas, para mostrar ao estudante que a matemática está presente em seu dia-a-dia. As atividades ocorrem num espaço colorido e agradável para atrair ainda mais as crianças.

Segundo a orientadora do programa Ana Sueli Argolo as brincadeiras trazem um resultado muito positivo no aprendizado numérico. “É impossível um aluno desgostar dos números, após conhecer o projeto. “Muitas crianças demonstram medo quando o professor de matemática entra na sala de aula. O nosso trabalho chegou para quebrar esse paradigma”, afirma.

A postura dos alunos em sala de aula tem superado as expectativas da equipe docente. Hudson Vasconcelos, de 10 anos, por exemplo, antes de participar do programa não conseguia resolver situações-problema, sequer com as operações básicas. Após o acompanhamento, o jovem foi estimulado a fazer uma auto-avaliação de suas atitudes e desenvolveu estratégias próprias de cálculos. Segundo relato dos professores, o avanço de Hudson foi tão visível que, após um semestre de acompanhamento, já não precisa mais freqüentar o projeto e passou a ser multiplicador em sala de aula.

“O desenvolvimento da ação atua diretamente nas atitudes do aluno que dificultam o aprendizado, como a capacidade de observar e escutar, a timidez, dispersão, além do medo de expor a opinião e ser ridicularizado pelos colegas, em caso de erro”, finaliza Argolo.