Estudantes da E.M. Yves de Roussan tocam percussão na abertura do VI Encontro ALFA-EJA

05 de nov de 2019 - Publicidade

Estudantes da Escola Municipal Yves de Roussan, localizada no bairro São Cristóvão (GRE-Itapuã) participaram do VI Encontro Internacional de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos (ALFA-EJA), evento realizado no auditório da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), na última quinta-feira (31). Eles são alunos do programa EJA e também percussionistas da Batucase e Cia, banda responsável pela abertura do congresso, motivo de orgulho para os alunos e gestores da escola.

O Seminário teve como objetivo promover e ampliar o debate e a difusão do conhecimento sobre alfabetização de jovens e adultos com foco nas discussões contemporâneas, enfatizando os direitos humanos, inclusão e igualdade social. Fomentar o intercâmbio de ideias e as redes colaborativas entre pesquisadores brasileiros e estrangeiros observando as tendências atuais da pesquisa, sobre as temáticas abordadas no campo da educação de jovens e adultos.

“Recebemos o convite da organizadora do encontro, a Uneb, então decidimos trazer nossos alunos da EJA que também são integrantes da oficina de percussão. Está sendo uma experiência muito boa, há quase três anos que eles estão conosco, e cada saída que fazemos com ele é realmente emocionante, é a primeira vez que eles participam deste congresso. Se prepararam muito, ensaiaram bastante para hoje”, disse a diretora da escola Yves de Roussan, Vanice Alves dos Santos.

Conforme a professora de ciências naturais, Gisélia Brito, a emoção de ver os alunos participando e integrados com a sociedade é única. “Eles estão cumprindo uma medida são internos da Comunidade de Atendimento Socioeducativo (CASE) para se melhorarem, e se estão aqui hoje, é porque estão preparados para serem inseridos novamente na sociedade. Foram escolhidos por apresentarem bom comportamento”, explicou.

Um dos integrantes da banda N.N.N, 17, que também é aluno do EJA contou o quanto estava feliz em participar da abertura do Congresso. “É gratificante, no meio de tantos eu ser escolhido. Sou interno há dois anos, tenho aprendido muito, o arrependimento vem todo dia, isso me motiva a fazer diferente, quando sair daqui quero estudar música”, completou.

A vice-gestora da Escola Municipal São Gonçalo do Retiro, Cláudia Maia aluna de mestrado da Uneb encontrou no Congresso a oportunidade de levar seu aluno do EJA, Edvaldo Paixão, que compôs a mesa de abertura e fez um pronunciamento emocionante sobre a oportunidade de retomar os estudos através do projeto.  “Eu deixei os estudos aos 13 anos e ao longo desse tempo, até os 37 anos, percebi que era extremamente importante o retorno à educação para ter reconhecimento na sociedade. Tive oportunidade através do EJA de retornar os estudos e concluir o ensino fundamental, chegando agora ao médio rumo à faculdade. O EJA pra mim é como se fosse uma sala de cirurgia e a educação é como se fosse uma operação que esses médicos (professores) fazem com a gente, eles tiram a catarata dos olhos e abrem a luz do conhecimento”, ressaltou Edvaldo Paixão que foi aplaudido de pé.