No Cmei CSU Pernambués, um ipê “floresce” livros para os estudantes

23 de set de 2019 - Jornalismo

A primavera chegou e com ela as flores, ou seriam livros? No Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) CSU Pernambués (GRE Cabula), em um ipê que há mais de dez anos faz sombra na frente do prédio e nunca floresceu, surpreendentemente neste 23 de setembro, brotaram muitos livros. O resultado do projeto “Plantando Leitura e Colhendo Leitores” deu um colorido especial à arvore que até hoje ninguém sabe a cor de suas flores.

O projeto celebra o início da Primavera e do projeto de biblioteca itinerante que circulará por toda a escola disponibilizando livros para quem tiver interesse pela leitura. Enquanto fazem alguns ajustes na ideia principal que será inaugurada no final do mês, as gestoras plantaram um pé de livro. Ao redor da árvore, as crianças sentaram e ouviram atentamente a contação de história. Após a leitura, os meninos e meninas “colheram” os livros do pé e foram para a área interna para desenhar o que entenderam da história. Os desenhos serão pendurados na árvore e depois ficarão expostos num mural do corredor das salas de aula.

As crianças colheram literalmente os livros do pé e folhearam as páginas com muito entusiasmo. Sávio, Isabela, Felipe e mais umas dezenas de crianças passaram parte da manhã se deliciando com cada gravura que viam nos contos infantis. “Estou adorando!”, “É um pé de livro!”, “Olha aquele lá do alto!”, “Eu quero aquele bem colorido!”.

“Esse projeto do pé de livro surgiu a partir da biblioteca itinerante, uma forma de mobilizar as crianças para a leitura. Eles estão na formação da aprendizagem da leitura, estão aprendendo a ler ainda e nem por isso estão impedidos de ter esse contato. Está chegando a primavera, por que não trazer um pé de livro?”, contou Janaina Alves, agente da educação e idealizadora do projeto.

Os gestores pensaram em criar um momento extremamente propício pra que pudessem levar para os alunos a literatura, retirando dos lugares convencionais e fazendo com que esse material ocupasse outros lugares na escola. “Então, em homenagem ao dia da árvore e à chegada da Primavera, decidimos que seria uma oportunidade para realizarmos várias atividades. A ideia é fazer algo diferenciado e acima de tudo prazeroso em que pudéssemos utilizar essa ideia da leitura e ao mesmo tempo da preservação do ambiente. Como estamos num ambiente muito arborizado, por que não aproveitar este espaço da melhor maneira? Fazer com que as crianças escutem história, estejam juntas e ao mesmo tempo entendam essa proposta que é cultivar o hábito da leitura desde cedo”, explicou Carla Regina Almeida, diretora da escola.

Fotos: André Carvalho/Smed/PMS