Professor da E.M. Nova do Bairro da Paz é finalista em prêmio nacional de arte-educação

04 de set de 2019 - Jornalismo

Projetos de norte a sul do país chegaram à etapa final do XX Prêmio Arte na Escola Cidadã.

O Prêmio Arte na Escola Cidadã reconhece projetos com potencial transformador no Ensino de Artes. No estado da Bahia, o professor Alessandro Moreira, da Escola Municipal Nova do Bairro da Paz, de Salvador, concorre à fase final da premiação. Ele foi classificado na categoria Ensino Fundamental I, com o projeto de Artes Visuais “O sonho de cada um – Pensar, Encantar, Acreditar / Agir, Transformar, Realizar”, desenvolvido com os alunos do 5º ano.

Realizado pelo Instituto Arte na Escola por meio da Lei de Incentivo à Cultura, o Prêmio, nesta 20ª edição, chegou à final com 21 professores, de 11 Estados diferentes. Em 20 anos de história, o Prêmio tem reconhecido projetos capazes de despertar novos olhares e inspirar alunos, cidadãos e comunidades, a partir de um mapeamento de trabalhos desenvolvidos em escolas das cinco regiões do país.

De acordo com Alessandro Moreira, o início da aplicação do projeto se deu através da apresentação aos alunos das obras do artista Ivan Cruz. “Fizemos uma atividade de releitura que despertou o encantamento e desejo dos educandos de poder desfrutar, e transformar em momentos tão reais, “as brincadeiras” coletivas do cotidiano registradas pelo artista em suas obras”, explica.

A outra referência partiu da escuta da música “Nunca Pare de Sonhar” do cantor Gonzaguinha, que traz na composição a essência do sonhar e planejar o futuro. Foram realizadas rodas de conversas com foco no sonho de cada um. “A etapa seguinte, foi constituída a partir de uma atividade que abordou técnica de pintura com caneta esferográfica sobre tecido (morim). Nele, os educandos puderam revelar os seus sonhos através de desenhos. Os tecidos foram costurados, preenchidos com espuma e transformados em pequenos travesseiros fazendo referência ao momento do adormecer”, relata o professor.

O projeto culminou com uma exposição na escola. “Foi fantástico, com grande envolvimento dos alunos e um aprendizado interdisciplinar de multicultural. Com esse projeto, eles puderam ampliar seus pontos de vista acerca do mundo, ao estabelecerem interações entre o visível e o oculto nas produções, ou seja, entre a obra criada e as inter-relações que ela carrega consigo mesma”.

O professor e toda escola aguardam agora o resultado final da premiação. “Recebi com grande satisfação a notícia de estar entre os finalistas. É um prêmio importante e de grande credibilidade. A expectativa para a final é grande. É o quarto ano que participo. Nos dois primeiros anos fiquei na semifinal, no terceiro ano 2018 cheguei à final e agora em 2019 espero realizar essa conquista”.

PREMIAÇÃO –São cinco categorias de premiação: Educação Infantil, Ensino Fundamental 1, Ensino Fundamental 2, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os professores premiados recebem 10 mil reais, certificado e participam de uma semana de formações culturais na cidade de São Paulo. As escolas nas quais os projetos foram desenvolvidos ganham equipamentos.

Cada professor premiado tem também seu projeto registrado em um documentário produzido pelo Instituto Arte na Escola. Após a cerimônia de premiação, os cinco documentários produzidos se desdobram em materiais formativos para outros professores de Arte.

ELDORADO –A obra Eldorado, de Leda Catunda, é a referência artística para a iconografia do 20º Prêmio Arte na Escola Cidadã. Homenageada nesta edição, a artista provoca o olhar do observador em obras que exploram a memória tátil, habitando os limites da pintura e do objeto.

Em Eldorado, Leda Catunda relembra a lenda muísca de El Dorado, em que o ouro conectava o homem com o divino. A obra traz uma atmosfera mística que remete ao desejo de abundância para todos.