Semana PCD: Autismo é tema de palestra na Escola Municipal Deputado Gersino Coelho

22 de ago de 2019 - Jornalismo

“Autismo, conhecer para incluir”. Esse foi o tema da palestra realizada na quinta-feira (15) na Escola Municipal Deputado Gersino Coelho, situada no Doron (GRE Cabula), com o intuito de conscientizar e informar pais e professores sobre as questões das necessidades especiais de alunos com autismo. A palestra, que faz parte da Semana da Pessoa com Deficiência da Secretaria Municipal da Educação (Smed), foi ministrada pelo grupo “Mães Autistas, Conhecer para Entender” formado por mães que levaram um pouco de suas vivências, aflições e superações ao saberem do diagnóstico dos filhos.

O encontro foi idealizado pela professora da sala do Atendimento Educacional Especializado (AEE), Gabriela Garrido, juntamente com a direção escolar, que observaram a necessidade de informar pais e professores da condição do autista e de como lidar com essas crianças. “Foi na verdade uma ideia que surgiu em conjunto com a Coordenação de Inclusão e Transversalidade da Smed para estarmos aqui falando um pouco e em cada tempo, de um tema relacionado ao AEE e trazer a família para a escola neste momento. As mães de autistas falando das suas experiências, contribuições, é um momento único para nós e ter esse grupo de mães de autistas hoje aqui é muito esclarecedor e importante”, frisou Gabriela.

A escola, que tem declarados 36 alunos com o diagnóstico de autismo, foi a primeira da rede municipal a instalar uma sala de apoio do AEE. De acordo com a diretora, Kátia de Jesus Silva, é muito importante preparar os professores para lidar com esses alunos em sala de aula e essa palestra veio agregar. “A necessidade dessa informação sobre autismo é de extrema importância para que os professores compreendam de que modo devem atuar e fazer intervenções pedagógicas com esses alunos. Nós enfrentamos diversas dificuldades e a pior barreira que a gente enfrenta é o desconhecimento, é o de como lidar com essa novidade”, pontuou.

Maira Cavalcante, fundadora do grupo, falou da necessidade em reunir mães para falarem sobre o assunto. “Esse grupo existe há 17 anos e surgiu a partir da necessidade que eu tive de ter um apoio. Quando a gente recebe o diagnóstico tem um olhar voltado para nossos filhos, para que eles façam as terapias e os acompanhamentos necessários, mas eu senti que faltava um cuidado com as mães. Algo que as fortalecessem de forma a superar as dificuldades para lidar com essa situação, como os preconceitos que sofremos com nossos filhos nos parques, nos shoppings, até mesmo na própria escola. Foi por isso que criei esse grupo e cada vez mais vem crescendo, hoje são mais de duzentas e cinquenta mães que conversam diariamente sobre o autismo”, disse.

Além da palestra com o grupo de mães também teve as presenças do autista Igor Moreira Nogueira, de 24 anos, medalhista de Jiu-jitsu acompanhado de sua mãe Marleide Moreira Nogueira, dando depoimento sobre a vivência e conquistas que sofreram desde quando foi diagnosticado com a síndrome.

“Há 17 anos a gente fala de autismo, não tínhamos um espaço como esse para discutir sobre o assunto, como está sendo discutido hoje. Aos três anos de idade foi observado o comportamento do Igor, mas o diagnóstico veio aos 17 anos, então foram quatro anos de batalha. A partir daí, além desse diagnóstico do autismo moderado, veio então o que chamamos de sentença do neuropediatra que dizia que ele não conseguiria ler, escrever e não teria a capacidade de amarrar o cadarço do próprio sapato. Foi uma luta árdua na qual a família teve um papel muito importante. É no seio da família que a pessoa com autismo deve ser acolhida em primeiro lugar, é onde surgem as primeiras oportunidades”, disse.

Igor conseguiu vencer os obstáculos, quer se formar em Educação Física, e já anunciou seu objetivo no esporte e o quanto é grato por todo carinho e cuidado que recebeu. “Quero ser faixa preta de jiu-jitsu para ajudar as crianças e adultos com autismo a superarem a sua deficiência e crescerem na vida”, afirmou.

Para fazer parte e contactar o grupo “Mães Autistas, Conhecer para Entender” basta acessar o endereço @mãesautismo no Instagram.

Fotos: André Carvalho/Smed/PMS